A Voz da CidadeVoltar

Variedades

Casa da Cultura exalta o centenário de Badger da Silveira

23/03/2016

RESENDE

A Fundação Casa da Cultura Macedo Miranda encerra nesta quinta-feira, dia 24, a exposição Dr. Badger da Silveira – Centenário do Nascimento, com visitação entre 12 e 17h30min, no salão de entrada do seu prédio histórico, situado na Rua Luiz da Rocha Miranda, nº 117, no Centro. A mostra reunindo textos e fotografias do ex-governador do Rio de Janeiro foi aberta no dia 10, como homenagem aos 100 anos que Badger completaria neste ano.

Natural de Bom Jesus do Itabapoana, Norte Fluminense, Badger Teixeira da Silveira era filho de Boanerges Borges da Silveira e de Maria do Carmo Teixeira da Silveira, irmão do ex-governador Roberto Silveira e tio do político Jorge Roberto Silveira, quatro vezes prefeito da cidade de Niterói. Era casado com Renée Ferraiolo Silveira, com quem teve oito filhos.

Badger foi um dos fundadores do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) no Rio de Janeiro, foi delegado de polícia e vereador em Resende. Quando seu irmão chegou ao Governo do Estado, foi nomeado secretário de Educação e posteriormente ministro do Tribunal de Contas do Estado do Rio.

Após a morte de seu irmão num acidente aéreo, e dos governos-tampão de José de Carvalho Janotti e Luis Miguel Pinaud, foi eleito governador do estado do Rio nas eleições de 1962, tendo sido empossado em 1963 e deposto pelo golpe militar de 1964, tendo seus direitos políticos cassados mesmo havendo negado qualquer envolvimento com movimentos subversivos e reafirmando sua fé católica, nas suas últimas tentativas de se manter no poder.

Após a votação do seu impedimento pela Assembleia Legislativa, foi substituído pelo General Francisco Torres, nomeado pelo presidente Castelo Branco. Teve ainda seus direitos políticos cassados por dez anos com base o Ato Inconstitucional-1 e, por isso, abandonou a vida pública. Beneficiado pela anistia decretada em 1979 foi aposentado em julho de 1981 no cargo de conselheiro em disponibilidade do Tribunal de Contas do Estado.

Badger da Silveira faleceu em maio de 1999, no Hospital Adventista, aos 83 anos, de insuficiência cardíaca.

Ao lado de seu irmão Roberto Silveira, teve participação ativa na campanha nacionalista pró-criação da Petrobras. Advogado lecionou história nos colégios Plínio Leite e Nossa Senhora das Mercês, em Niterói. Exerceu ainda o cargo de delegado de polícia do estado em Resende, onde se radicou. Nessa cidade elegeu-se vereador na legenda do PTB, tornando-se presidente da Câmara Municipal.

Com a ascensão de Roberto Silveira ao governo do estado em janeiro de 1959, Badger foi secretário de Educação, secretário sem pasta, diretor da Fundação Anchieta, diretor da Empresa Fluminense de Energia Elétrica e ministro do Tribunal de Contas do estado do Rio de Janeiro. Com a morte de Roberto Silveira em acidente aéreo, no dia 20 de fevereiro de 1961, Badger teve seu nome lançado pelo PTB para concorrer ao governo do estado no pleito previsto para outubro de 1962.

Com um número inédito de candidatos concorrendo ao governo do estado do Rio de Janeiro, Badger Silveira saiu vitorioso no pleito de outubro de 1962, através da coligação formada pelo PTB e o Partido Democrata Cristão (PDC), com 260.841 votos, derrotando seu principal adversário, Tenório Cavalcanti, que concorrera na coligação composta pelo Partido Social Trabalhista (PST) e o Partido Trabalhista Nacional (PTN) e obtivera 224.734 votos.

Comentários

  • Não há comentários, seja o primeiro a comentar!

Comentar

  • Nome:
  • E-mail:
  • Comentário:

Notícias Relacionadas

Plantão
da Voz da Cidade
Deputada acompanha lançamento do ID Jovem em Quatis saiba mais

TwitterFacebook